sexta-feira, 24 de abril de 2009

Respeitável Público !!




Cada ramo do conhecimento humano passa por períodos de estagnação onde quase nenhum novo saber é agregado. Súbito, uma nova descoberta ocorre e as águas da cultura, outrora calmas como um rio sem brisa, agitam-se em ondas colossais. Não é diferente com o Origami. Antigamente, objetos mais complicados eram dobrados a partir de várias folhas, até que uma nova descoberta mudou tudo. Segundo Robert Lang ¹ isso ocorreu quando Emmanuel Mosser dobrou um trem com dois vagões utilizando apenas uma única folha de papel e sem cortes. A novidade foi a técnica empregada e que possibilitou aos artistas a criação de modelos mais complexos a partir de um simples pedaço de papel. Qual foi a técnica? box-pleating. É complicado explicar como ela funciona em um blog, mas Eric Kenneway nos dá o norte ²: "Se você dividir uma folha de papel em pequenos quadrados fazendo uma série de dobras paralelas às bordas, primeiro horizontalmente e depois verticalmente, e se você girar o papel e fazer vincos diagonalmente nos dois sentidos por toda a folha, o resultado é um padrão de dobras (CP) o qual se assemelha com pequenas bases preliminares enfileiradas" (nossa tradução). Teoricamente, você teria uma base universal a partir da qual poderia dobrar figuras complexas. Outros pioneiros nessa técnica foram Fred Rohm e Neal Elias. Este último, desejava dobrar "A Última Ceia" com a figura de Cristo e todos os apóstolos com uma única folha de papel. Até onde sei, não logrou êxito. Atualmente, o box-pleating é utilizado por todos os grandes mestres. Acho que todas as figuras humanas mais complexas dobradas que conheço utilizam o box pleating. Basta ver os modelos de Hojyo Takashi (exemplo: "a violonista" em postagens mais antigas deste blog).

O modelo acima foi criado por Max Hulme utilizando Box-Pleating.
01 única folha de papel retangular de 48cm x 24cm - sem cortes ou cola
Tipo de papel: não faço a mínima idéia. comprei em uma livraria em 2006!!
Diagrama no livro - Complete Origami (ver abaixo)

Para saber mais:
¹ LANG, Robert J. - Origami Design Secrets: mathematical methods for an ancient art - 2003 - A K Peters, Ltd.

² KENNEWAY, Eric - Complete Origami - 2000 - St. Martin´s Griffin

2 comentários:

beto-aquino disse...

Onde fica o recanto celular da arte? Deve ser na antípoda do egoísmo ! Mas uma coisa parece-me certa, sua manifestação recruta: o cérebro, músculos e glândulas sudoríparas.

"Somente aquele que tem a paciência de fazer as coisas simples com perfeição, torna iridescente a facilidade nas coisas difíceis !"

PARABÉNS MINAMI !!!

Anônimo disse...

O nome do papel usado e papel laminado.